Grupos de Trabalho CRBio-03

PARTICIPE DOS GRUPOS DE TRABALHO DO CRBIO-03.

Um dos compromissos desta nova gestão do Conselho Regional de Biologia 3a Região é viabilizar que vocês, Biólogo e Bióloga, possam participar e contribuir com os debates da profissão nos desafios da atualidade.

Para possibilitar e qualificar as ações de orientação e fiscalização do exercício profissional o CRBio-03 criou “Grupos de Trabalho” para recebimento das contribuições das diferentes áreas e subáreas de atuação profissional, possibilitando o debate e a organização de diversas ações.

Portanto, participe das discussões dos Grupos de Trabalho nas áreas de sua especialidade ou interesse descritas abaixo.

Cada Grupo de Trabalho Técnico possui um coordenador, para o qual você pode direcionar suas contribuições, experiências e sugestões para o debate qualificado. Participe! Venha construir conosco a pauta de debates do CRBio-03.

Maiores informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

    AGROTÓXICOS E IMPACTOS AMBIENTAIS 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Membros E-mail
Coordenadora Ana Garcia Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Jackson Müller Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Maycon Sanyvan Sigales Gonçalves Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Christian Borges Andretti Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Renato Veiga Júnior Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O GT Agrotóxicos e impactos ambientais objetiva promover um debate qualificado sobre o crescimento de seu uso nos diferentes locais dos estados do RS e SC, bem como dos impactos nos diferentes compartimentos (água, ar, solo) e na biodiversidade. No GT serão incluídas pautas associadas aos diversos aspectos envolvendo seus usos, bem como de medidas preventivas visando evitar danos no ambiente. Os debates do GT serão transformados em recomendações e/ou ações junto aos órgão de controle, bem como de alerta para a sociedade dos riscos decorrentes de seu uso indiscriminado.

ASSUNTOS RELACIONADOS:
A flexibilização da legislação brasileira de agrotóxicos e os riscos à saúde humana: análise do Projeto de Lei no 3.200/2015
Agrotóxicos e seus impactos na saúde humana e ambiental: uma revisão sistemática
Agrotóxico ameaça vida das abelhas e de outros animais

 

   GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E POLÍTICAS PÚBLICAS 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros E-mail
Coordenadora Caroline Techio Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Jair Gilberto Kray Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Adriano Cunha Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jorge Amaro Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Micheli da Silva  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Bruna Schroeder Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jackson Müller Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A gestão dos resíduos sólidos se constitui num dos maiores desafios da sociedade de consumo. A partir da publicação da Lei Federal 12.305/2010 (PNRS) diversas foram as tentativas de promover mudanças nas formas de consumo, ampliação da reciclagem e promoção da educação ambiental visando a indução de novos comportamentos. A crescente poluição por plásticos e o desenfreado uso de embalagens descartáveis, associado a falta de políticas efetivas para a gestão integrada de resíduos amplia os impactos no ambiente, aumenta custos e onera a sociedade. Os debates do GT serão importantes para auxiliar os biólogos e biólogas na orientação e organização de estratégias, seja no serviço público, seja nas atividades privadas, objetivando qualificar as informações e experiências para a ampliação de políticas públicas associados ao tema.

ASSUNTOS RELACIONADOS: 
Revisão das políticas públicas de gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos no Município de Porto Alegre
A Política Nacional de Resíduos Sólidos: como o Brasil lida com o lixo?
Resíduos sólidos: o que são, legislação a respeito e como destinar e tratar corretamente? 
Política Nacional de Resíduos Sólidos - Decreto  Nº 10.240

 

    PROTEÇÃO DAS ÁGUAS E SANEAMENTO AMBIENTAL  
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros E-mail
Coordenador Jackson Müller Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Luis Roberval Bortoluzzi Castro Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Vania Elisaete Schneider Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Mauricio Mello Petrucio Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ernani Daniel  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ioberto Banunas Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A gestão das águas e o saneamento ambiental são temáticas emergentes associadas as áreas de atuação dos biólogos e biólogas do RS e SC. O grave quadro de degradação dos recursos hídricos, com importantes impactos na saúde pública, biodiversidade e sociedade necessita de ações continuadas, proporcionando estímulos para inclusão das disposições da Lei Federal 11.445/2007 nos municípios e estados. O GT busca debater, avaliar experiências exitosas nas áreas de abastecimento público, coleta e tratamento dos esgotos, resíduos sólidos e drenagem pluvial, de forma a promover qualificado debate sobre o tema, objetivando qualificar as informações e experiências para a ampliação de políticas públicas associados ao tema.

ASSUNTOS RELACIONADOS:
Desafios na proteção da água
Saneamento Básico e sua relação com o Meio Ambiente e a Saúde Pública
Manual de Saneamento 
Três rios do RS estão entre os mais poluídos do país 

Regulação Ambiental e Saneamento em áreas isoladas - Brasil Japão.
Saneamento é saúde - Principais Estatisticas

 

   BIODIVERSIDADE E ECOSSISTEMAS 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Coordenador Marcelo Luiz Marques Menezes Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Jaime Martinez Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Adriano Dias de Oliveira Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Marcelo Maisonette Duarte Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Paulo Tomasi Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Marcos Rigol Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jackson Müller Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Renato Veiga Júnior Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Glayson Ariel Bencke Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jonas  Kilpp Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Os danos sofridos pelos ecossistemas naturais estão diminuindo sua capacidade de fornecer bens e serviços vitais (MEA, 2003), com graves consequências econômicas, sociais e ambientais, repercutindo em perdas inestimáveis da biodiversidade. Muitos dos custos associados à progressiva degradação dos ecossistemas só agora estão se tornando aparentes ou sendo quantificados em políticas setoriais. A proteção dos ecossistemas e da biodiversidade se constitui num dos principais desafio da sociedade atual, uma vez o modelo de crescimento preponderante. O GT pretende debater os pesquisas, os estudos e as formas de se promover o crescimento econômico e a compatibilidade na proteção dos ecossistemas e da biodiversidade dos estados do RS e SC, ampliando as ações dos biólogos na definição de políticas setoriais.

ASSUNTOS RELACIONADOS: 
Biodiversidade do RS - UFRGS 
Biodiversidade catarinense 
Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade

 

   DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E CONTROLE DA POLUIÇÃO Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros E-mail
Coordenadora Suzana de Azevedo Martins Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretária Ana Garcia Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Márcia Kaffer Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Vera Vargas Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

A dimensão ambiental trata dos fatores de pressão e impacto, e está relacionada aos objetivos de preservação e conservação do meio ambiente, considerados fundamentais para a qualidade de vida das gerações atuais e em benefício das gerações futuras. Estas questões envolvem múltiplas relações com a atmosfera, terra, água doce, oceanos, mares e áreas costeiras, biodiversidade e saneamento. O modelo econômico preponderante gera pressões sobre o ambiente e envolvem questões pertinentes às políticas ambientais, com forte influência na saúde e na qualidade de vida da população. Em setembro de 2015 entrou em vigor a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, aprovada pela Assembleia Geral da ONU. Compõe-se de princípios, 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas integradas, além de um conjunto de indicadores para seu acompanhamento. O GT objetiva debater e qualificar as orientações associadas ao tema, ampliando as formas de controle da poluição e a perda da biodiversidade, dos impactos nos compartimentos ambientais (água, ar, solo) e as tecnologias que possibilitam sua redução na sociedade atual.

 

 ASSUNTOS RELACIONADOS: 
Desenvolvimento Sustentável | Conheça Quais São os 17 ODS‎
Ar poluído é um dos principais riscos ambientais para a saúde, diz Opas 

Proibição a canudos plásticos já está valendo em Porto Alegre

 

CIDADES SUSTENTÁVEIS E PLANEJAMENTO URBANO
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros E-mail
Coordenadora Priscila Confortin Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Rafael Moura Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
João Augusto Bagatini Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Maria Helena Faedo da Rosa Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ana Garcia Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Renato Veiga Júnior Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes. Como princípios básicos e da garantia do direito a cidades sustentáveis, nos termos da Lei Federal nº 12.257/2001 – Estatuto das Cidades – pode ser entendido como o direito à terra urbana, à moradia, ao saneamento ambiental, à infraestrutura urbana, ao transporte e aos serviços públicos, ao trabalho e ao lazer, para as presentes e futuras gerações. O presente GT objetiva qualificar o debate e a troca de experiências com biólogos e biólogas que atuam no planejamento urbano, possibilitando a troca de experiências e promoção de políticas públicas que incluam a variável ambiental.

ASSUNTOS RELACIONADOS:
Cidades Sustentáveis e Planejamento Urbano 
Os rios e as cidades: como resolver a questão das enchentes
Como o planejamento urbano influencia nosso dia a dia

 

    LICENCIAMENTO E CONTROLE AMBIENTAL 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Membros E-mail
Coordenadora  Maria Helena Faedo da Rosa Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Felipe Phaelante Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Mateus Leal  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Emerilson Gil Emerim Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Alexandre Grose Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Fabiane Für Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Laiz Guithon Martinez Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Guilherme Arsego Roesler Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jackson Müller Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Nos termos das normas vigentes o licenciamento ambiental se caracteriza como o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis. As mudanças propostas ou em tramitação no Congresso Nacional reforçam a ideia de que é preciso ampliar o debate sobre o tema, estimulando a troca de experiências e relações com a qualidade dos estudos e trabalhos realizados pelos biólogos nesses procedimentos. Laudos técnicos de fauna, de flora, avaliações de espaços protegidos exigem preparação continuada, tanto dos biólogos que atuam no serviço público, quanto dos que atuam na prestação de serviços. O GT visa qualificar o debate sobre a importância dos biólogos e biólogas na realização de estudos que subsidiam o tema, bem como as implicações das mudanças dos procedimentos previstos na Lei Federal 6938/1981.

ASSUNTOS RELACIONADOS: 
Licenças ambientais: Quais os tipos de existentes no Brasil? 
O que é um Plano de Controle Ambiental?
O Licenciamento Ambiental é aplicável a todas empresas que tratam resíduos?

 

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E GESTÃO DE ESPAÇOS PROTEGIDOS   Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros E-mail
Coordenador Marcelo Luiz Marques Menezes Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Jorge Amaro Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jaime Martinez Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Pedro Maria Ferreira Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Luthiana Carbonell dos Santos Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Marcos Eugênio Maes Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Fábio Mendes Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Marcelo Maisonette Duarte Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Brites Pereira Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Paulo Dutra  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

As áreas protegidas representam um grande esforço global de preservação da biodiversidade. Tradicionalmente a sua principal finalidade visava preservar paisagens notáveis e ambientes marinhos icônicos, espécies importantes para a proteção e preservação dos seus habitats e hotspots de biodiversidade. Nas últimas décadas avanços no planejamento e na biologia da conservação permitiram uma avaliação precisa do número, extensão e qualidade de áreas protegidas necessárias para conservar a variabilidade de plantas e populações de animais. Neste sentido, existem objetivos para aperfeiçoar as políticas que visam garantir a proteção de 17% da superfície da Terra e 10% da superfície dos ambientes marinho, em uma rede de áreas protegidas mundial a ser efetivada até 2020 (SECRETARIA DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA - CDB, 2010). O debate desse importante tema se caracteriza como de grande relevância para avaliar a efetividades das UC´s presentes no estado do RS e SC e do papel dos biólogos e biólogas nessa conjuntura. As áreas protegidas são as mais conhecidas e bem aceitas estratégias para a conservação da biodiversidade em face da fragmentação dos ecossistemas, temática que será debatida no GT, possibilitando a definição de estratégias para qualificação da gestão desses espaços protegidos.

ASSUNTOS RELACIONADOS:
A gestão de espaços ambientais protegidos
Unidades de conservação | Município de Itajaí
Sistema Nacional de Unidades Conservação - SNUC

 

BIÓLOGOS, COLETIVOS E GOVERNANÇA 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros E-mail
Coordenador Renato Veiga Júnior Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretária Priscila Confortin Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ioberto Banunas Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jacksin Müller  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

O profissional biólogo caracteriza-se por ser um profissional atualizado, com adequada formação dos princípios e das teorias da biologia, capaz de atuar, tanto em nível técnico quanto experimental, na elaboração e execução de projetos e com capacidade de relacionar ciência, tecnologia e sociedade, analisando as implicações sociais do conhecimento e de seu uso. É o profissional qualificado para atuar nas áreas de Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde e  Biotecnologia e nas diversas estruturas de Produção. Através da Lei Federal N° 6.684, de 3 de setembro de 1979, que regulamentou as profissões de Biólogo, criou o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Biologia foram estabelecidas as bases da profissão, posteriormente regulamentada através do Decreto Federal Nº 85.005, de 6 de agosto de 1980 e do Decreto Federal Nº 88.438, de 28 de junho de 1983, que dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Biólogo. Mais recentemente a Resolução CFBio N° 227, de 18 de agosto de 2010, promoveu a atualização quanto a ampliação das Atividades Profissionais e as Áreas de Atuação do Biólogo, em Meio Ambiente e Biodiversidade, Saúde, Biotecnologia e Produção, para efeito de fiscalização do exercício profissional, ampliando de forma importante o mercado de trabalho, os coletivos envolvidos e as relações com a governança. O GT busca qualificar os debates e as orientações profissionais sobre esses cenários e os desafios da profissão.

ASSUNTOS RELACIONADOS:
A Formação do Biólogo e a Educação Ambiental
Profissão biólogo: 5 áreas de atuação promissoras
Biólogo esclarece importância do tratamento preventivo de doenças negligenciadas

 

ENERGIAS DE FONTES RENOVÁVEIS 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Membros E-mail
Coordenador Brites Pereira Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Secretário Rafael Gomes Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jair Gilberto Kray Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Rafael Ricardo Dalssotto Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Jan Karel Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Renato Veiga Júnior Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ioberto Banunas  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Com a ampliação do uso de fontes renováveis de energia a atuação dos biólogos vem se ampliando de forma importante, seja na coordenação de projetos e programas de expansão dos usos nos estados do RS e SC, seja na realização de estudos técnicos para sua viabilização. Políticas setoriais estimulam os usos dessas novas fontes, necessitando, entretanto, de fóruns permanentes para superação dos desafios, aspectos burocráticos e indefinições técnicas sobre seus usos, impactos e medidas mitigadoras. O GT tem como objetivo integrar os setores empreendedores e profissionais, melhorando e qualificando as ferramentas de gestão e políticas públicas.

ASSUNTOS RELACIONADOS:
Brasil está entre os mercados emergentes mais promissores para energias renováveis
Fontes de energia 2020 – Tudo sobre energias renováveis
Ministério prevê que participação da energia solar no país será 4 vezes maior em 10 anos